| Tudo sobre Cães e Gatos

Rinotraqueíte Felina – O que é e como tratar

5.51K 0
Rinotraqueíte Felina – O que é e como tratar
Rinotraqueíte é uma enfermidade bastante conhecida entre os veterinários e famílias que possuem gatos em casa. Causada pelo vírus Herpesvírus, a patologia atinge principalmente o sistema respiratório, e é fácil de ser identificada, porém o tratamento pode durar várias semanas e não ocorrer melhoras. O vírus desenvolve alterações. Lamentavelmente, a patologia é comum e costuma acometer todos os felinos. É uma doença específica de felinos domésticos, mas em alguns casos os felinos selvagens podem ser contagiados.
TRANSMISSÃO DA RINOTRAQUEÍTE

O contágio da rinotraqueíte é feito de modo direto, ou seja, por meio da secreção de outros bichinhos que estejam contaminados. Há situações, que o contágio acontece pelo ambiente, porém apenas em lugares de grande altitude. É provável também que uma gata mãe, transmita o vírus para seus bebês.

Leia também:

Mito ou verdade. Curiosidades sobre pets

Toxoplasmose – o gato tem culpa?

O vírus penetra nos felinos por meio do sistema respiratório e ocular. Logo, multiplica as células do trato respiratório, causando necrose multifocal epitelial. O desenvolvimento progressivo continua até afetar os neurônios sensoriais (responsáveis por receber estímulos).

SINTOMAS

Os sinais costumam aparecer cerca de vinte e quatro horas depois do início da contaminação. Ocorrem espirros, temperatura corporal elevada, conjuntivite, ceratite (inflamação da córnea), salivação e um aumento na carga de secreção. Em certos quadros, pode-se progredir para uma broncopneumonia. Em situações elevadas da rinotraqueíte, podemos observar úlceras pelo corpo do felino. Dentre as situações adversas, está a rinite crônica. Os bichinhos costumam ter diversos episódios da doença respiratória em um curto período de tempo. Isso acontece devido à destruição do epitélio nasal, e intervenção de bactérias secundárias, como por exemplo, Clamydophila felis e Staphylococcus.

DIAGNÓSTICO

Na maioria das vezes o diagnóstico é baseado pelos sintomas. No entanto, em certas circunstâncias é necessário fazer uma análise da secreção expelida pelos gatos. Igualmente, é feito um exame sanguíneo e biopsia para fechamento.

TRATAMENTO

O tratamento é organizado em manter os gatos hidratados, uma vez que os mesmos tem tendência a ficar dias sem comer ou ingerir água. A aspiração é significativa para debelar as secreções e amenizar o entupimento do nariz. Os antibióticos passados pelos médicos veterinários são de enorme relevância, já que evitam infecções secundárias. Pomadas e colírios tem de ser usados rapidamente caso o felino possua alguma ocorrência ocular. Isso impedirá maiores problemas e inclusive a cegueira.

DICAS DE PREVENÇÃO

O problema costuma ser constante em bebês, por essa razão, bichinhos adquiridos recentemente devem ser mantidos em isolamento por quarenta dias. A vacinação dos bebês dá-se depois da primeira semana de vida. Posteriormente, precisa ser aplicada uma vez por ano. Esse é o mais correto meio para prevenção do adoecimento. Por infelicidade, por ser derivado do vírus herpes, tal como nos homens não possui ainda uma cura. Os episódios podem acontecer várias vezes, e carecem de ser tratados com brevidade. Por ser uma enfermidade muito frequente em bebês, impeça que tenham convívio com outros animais. Afinal de contas, esta é uma das razões constantes de mortalidade.

Gostou do conteúdo? Curta nossa fanpage, siga-nos no Instagram e receba dicas e notícias nas redes sociais.

Comentários no Facebook