| Tudo sobre Cães e Gatos

Doença renal crônica em gatos – (DRC)

768 0
Doença renal crônica em gatos – (DRC)

Também chamada pela sigla DRC, a doença renal crônica em gatos é uma das doenças mais comuns dos gatos domésticos, podendo acometer até 20% da população. Mas nem todo felino com DRC irá morrer dessa causa. O termo insuficiência renal também é muito usado, porém ele denota uma progressão da DRC, ou seja, um quadro mais avançado da doença.

A DRC pode começar na infância, mas por ser evolutiva é muito mais frequente ser identificada nos gatos de idade avançada.

Leia também:

Miss Pam Pam, a gatinha que tem uma condição rara e tem conquistado o mundo

O nanismo acontece também em animais – Porque isso ocorre

Protetores de animais – Anjos voluntários

Toyger – Raça de Gatos

Causas

A causa mais frequente da doença renal crônica em felinos é a chamada nefrite tubulointersticial de causa desconhecida, que é na realidade uma grande quantidade acumulada de células inflamatórias nos néfrons (estrutura microscópica dentro dos rins responsáveis pelas suas funções) com progressão para fibrose.

Outras causas não muito constantes são: hidronefrose por bloqueio de ureter, cistos (rins policísticos), tumores, inflamações, dentre outras.

Os felinos tem algumas características que os leva a desenvolver DRC, como sua raiz desértica que os fazem ingerir pouca água e concentrar mais a urina e a quantidade de néfrons reduzida em comparação com cães e humanos.

Consequências e sintomas

Desidratação – perdem líquidos, pois intensificam a produção de urina
Anemia – pois os rins participam na produção de hemácia
Desequilíbrio eletrolítico – como grandes níveis de fósforo, baixos ou altos níveis de potássio e baixos níveis de bicarbonato, pois os rins perdem a habilidade de controlar a saída desses eletrólitos
Hiperparatireoidismo – crescimento dos níveis de PTH (paratormônio) na investida de equilibrar os altos níveis de fósforo no sangue
Hipertensão – pois os rins comandam a pressão arterial

Os indícios da doença renal crônica em felinos (DRC) podem se confundir com processos infecciosos e diabetes, pois os sintomas são parecidos, dentre eles a sede excessiva, maior produção de urina, perda de peso, vômitos, desidratação e constipação.

Diagnóstico

O médico veterinário se fundamenta nos sinais clínicos e em exames de sangue, de urina e de imagem. Hemograma, ureia, creatinina, urinálise e ultrassom de abdômen são os principais exames a serem realizados para atestar a hipótese. O veterinário pode solicitar outros exames, como dosagem de eletrólitos, pressão arterial e exames de coração para realizar um monitoramento da disfunção.

Fases da DRC

Os felinos com DRC mostrarão níveis elevados de creatinina no sangue, que deveria ser eliminada pelos rins. Tendo em conta isso, a Sociedade Internacional de Interesse Renal (IRIS) desenvolveu uma tabela de estágios da doença renal:

Estágio da doença I II III IV
Nível de creatinina >1,6 mg/dL 1,6 – 2,8 mg/dL 2,9 – 5,0 mg/dL >5,0 mg/dL

Tabela IRIS adaptada para esclarecimentos sobre DRC. Para visualizar a tabela completa entre no site iris-kidney.com

Tratamento

Lamentavelmente a doença renal crônica em felinos não tem cura. A boa notícia é que pesquisas indicam que a maior parte dos felinos com DRC morrem de outras causas.

Para uma sustentação adequada o felino necessita se manter hidratado, manter ou ganhar peso e diminuir o consumo de proteína e fósforo. Diversas marcas de ração elaboram alimentos próprios para felinos com doença renal e que contém baixos níveis de proteína e fósforo.

Felinos com pressão arterial alta ou com problema cardíaco secundário recebem tratamento apropriado para cada circunstância, assim como a correção possível de desequilíbrio eletrolítico (alteração nos níveis de potássio, cálcio, fósforo e sódio).

Em situações de desidratação crítica o gato pode ter de ser internado para receber soro endovenoso e sair da crise, mas na maioria das vezes os animais recebem tratamento em casa.

OBS: Essas informações não devem ser tomadas como forma de diagnóstico. Sempre consulte um veterinário e nunca medique seu gato sem receita.

FONTE: Dra. Laila Massad Ribas – Petiko

Gostou do conteúdo? Curta nossa fanpage, siga-nos no Instagram e receba dicas e notícias nas redes sociais.

Comentários no Facebook