| Tudo sobre Cães e Gatos

Câncer de mama atinge 45% das cadelas e 30% das gatas; veja os sintomas

2.46K 4
Câncer de mama atinge 45% das cadelas e 30% das gatas; veja os sintomas

O Câncer de mama atinge cerca de 45% das cadelas e 30% das gatas. Veterinária explica sobre como prevenir e quais os tratamentos.

Outubro Rosa é uma campanha conhecida internacionalmente, que alerta sobre a importância do combate ao câncer de mama em humanos. Porém, a doença não é exclusividade, atingindo também os cachorros.

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), aponta que a incidência do tumor em cadelas é de cerca de 45%, quase o dobro dos novos casos da doença em mulheres, e que aproximadamente 30% das gatas sejam diagnosticadas com a doença.

Leia também:

8 motivos para você desistir de cruzar a sua cadela

Muita atenção: 5 coisas que você jamais deve fazer com seu gato

Faz mal dormir com o cachorro na cama?

A médica veterinária Carla Storino Bernardes, em entrevista ao G1 Mundo Pet, explica que a principal causa do desenvolvimento do câncer está ligada a alterações hormonais.

“Grande parte dos tumores mamários acometem as fêmeas, sendo extremamente raro em machos. Devido a influências hormonais, a presença de receptores como estrógeno e progesterona, tem papel importante para excitação hormonal no desenvolvimento de tumores”, afirma.

Segundo a veterinária, os animais idosos tem maior propensão de desenvolver a doença.

Sintomas e tratamento

“A castração, antes do primeiro cio, ainda é a melhor forma de prevenção da doença, já que bloqueia os fatores hormonais”, reforça Carla.

São diversos os sintomas: dores, falta de apetite, vômitos, odor desagradável e apatia podem indicar que há algo errado com a saúde do pet. De acordo com a veterinária, de 80 a 90% dos tumores de mama são malignos.

“O tutor nota uma massa nodular firme que pode aderir à pele, mas não à parede abdominal. As mamas ficam inchadas e vermelhas e, em alguns casos, podem apresentar muco. Já nos casos mais graves o animal apresenta ulceração de pele”, alerta.

Após o diagnóstico, por meio de um exame citológico (punção com agulha) ou através de uma biópsia, que indicam a gravidade do tumor, o tratamento pode ser realizado com cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou eletroquimioterapia.

Fonte: G1

Curta nossa fanpage, siga-nos no Instagram e receba dicas e notícias nas redes sociais.

Comentários no Facebook